segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Vacation: Sobre a beleza das cenas que a gente acaba vendo na volta da padaria...

Eu nunca gostei muito de férias. Até porque para mim sempre foram dias completamente normais, a não ser pelo fato de ter um pouco mais de tempo para as coisas importantes, como ficar lendo na cama logo cedo na preguiça de um dia frio e levar o cachorro para passear, ou para coisas supérfulas, como passar mais tempo no chuveiro, tomar banho de chuva, -eu não acho que isso seja supérfulo,- e arrumar o armário. O fato é que eu gosto dessas idas ritualísticas à padaria todas as manhãs, pontualmente às 6:00. Na verdade nesse horário eu devia era estar dormindo como qualquer outro ser humano normal de férias, mas além de eu não gostar muito de dormir e não ter tempo para isso, considero uma grande perda de tempo. E já que eu nunca me comportei mesmo como as pessoas "normais" penso que estou sendo mais útil assim. Como quando eu era criança e achava mais útil conversar com a lua que com as outras crianças. Bem, eu ainda converso com a lua, e quer saber, ela continua respondendo. Vai ver não é mesmo verdade essa história tremendamente retrô de que a criança que existe em nós é eterna. Uff, acho que Marvin vomitaria ao ler isso. Bem, voltando a história, essa semana nessas idas e vindas a padaria, eu acabei pensando sobre ver beleza no cotidiano e percebi que a verdadeira felicidade parece se fazer ao preço de toda a simplicidade do mundo. Só que as vezes o mundo tenta afastar isso de você. Espero que jamais deixem que isso aconteça. Sabe, um dias desses quando eu estava voltando com meu saco de pão, tinha um garotinho sardento conversando com o avô e olhando para o céu. Não sei porque, mas tive a impressão que são exatamente essas coisas que importam, aquilo fez uma diferença tão grande naquele meu começo de manhã... As ruas estavam vazias, o céu vestido de um amarelo estático, me lembrou aquela música do Coldplay "and it was all yellow..." Gosto disso, de perceber vestígios da verdadeira alegria nas pessoas que eu nem conheço, faz parecer que as coisas estão se encaminhando, e gosto de pensar que tudo na verdade tende ao positivo, contrariando Mark Rothko. Quando cheguei em casa tinha uma esperança bem pequena no portão. Também gosto delas, além de não me importunarem, são bem mais inteligentes que certos humanos por ai... Enfim, me dispeço dizendo que continuo preocupada, mesmo com G20, ABIN e Bolsa família. Vou deixar essa mensagem do Veríssimo, coisas-que-levei-anos-para-aprender, e essa música antigona do grande Jimi Hendrix, all-along-the-watchtower, que fala de destino, razão e outras coisas que eu literalmente não sei. Let's go agora, porque como disse o Raul Seixas, eu tenho uma porção de coisas grandes para conquistar e não posso ficar aqui parada... ■

PS: Recicle, faça amigos e não ligue o mínimo para o que as pessoas pensam sobre você.

17 comentários:

Andarilho disse...

Fantástico. Esse é tão mais pessoal, profundamente na primeira pessoa, diferente de quase tudo que você escreve. Acho que aqui, mais que em qualquer outro lugar, deu para ver um pouco mais de você, até mesmo na forma como se perde em pensamentos antes de chegar ao ponto.

Fantástico. Ótima maneira de se começar 2010 por aqui.

Felipe Santos disse...

Gostei. Coisas simples me atraem tbm... Temos que dar valor sempre a elas , e não deixá-las morrer nunca. Simplicidade é e espiríto.

Kisses And Hugs!

Eduard disse...

Não sei se eu já te disse isso Bells, mas teus textos tem algo que me prendem ao ponto de eu sempre tentar te imaginar em cada lembrança que conta...
É tão raro pessoas como vc, espero que continue escrevendo para nós.

Beijo

Lice disse...

Ela, a menina que junta filosofia, rock, veríssimo, atualidades, pão e no fim sai um texto esplendido desse.

Grande espírito mocinha...

gutor disse...

Gostei muito do texto... Bem no seu estilo: simples. E, na maioria das vezes, são essas coisas simples que nos chamam a atenção e nos faz perceber que o mundo ainda tem jeito, que o mundo é realmente belo!

Abraços,

P.L.E

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

Josy,

Pessoas que conversam com a lua sabem que a resposta sempre vem mansa e serena.

Beijo imenso, menina linda.

Rebeca


-

Elcio Tuiribepi disse...

Oi Josy, te entendo, fiz um poema uma vez por causa de um intante assim que presenciei no meio da rua, um casal de idosos, mas tão idosos que tornaran-se mais jovens do que eu diante a não preocupação com nada a volta deles...e aquilo para mim era amor...tanto que o nome do poema, que aliás até postei, chama-se...Ontem encontrei com o amor...Verissimo é bom demais..suas cronicas saõ ótimas...
Um abraço na alma...bjo

Sanzinha disse...

Me imaginou, foi, menina Josy? Me imaginou como? rsrs Fiquei curiosa agora.
Que delícia de post! Só discordo de vc no que diz respeito a dormir, porue pra mim isso é tudo! rs

Saudades dem grandonas de vc!

Beijão!

Mulher disse...

Te achei...isso é mto bom....dizem que quem quer sempre alcança e eu como sempre insisto, ca estou.
Adorei ter vc no meu cantinho e AAAAAMEIIIIIIIIII o seu....como te falei no email, vc transmite muita coisa positiva e boas vibrações. Continue assim, sempre linda por dentro e por fora.
Arrumou mais uma fã....rsss
Continue me visitando que vou adorar.
Mil bjos

b disse...

Poesia no cotidiano.
Toda hora.
E, que privilegiada é você - que vê.

A Magia da Noite disse...

há em alguns seres algo de especiais que os transforma em almas diversas.

O Profeta disse...

O troar do trovão, esta incessante chuva
As estrelas choram todas as mágoas na terra
Onde param os Anjos, porque não nos acodem os Santos
O mal e o bem porfiam esta eterna guerra

As casas do sul ruiram todas
Tal como a esperança desesperada
Toquei no rosto de uma criança triste
Senti uma paz surgir do nada


Mágico beijo

Sanzinha disse...

Linda Josyyy!
Chegou minha carta?

Beijão!

Lélia Campos disse...

Bom, sou suspeita pra falar de epifânias, acho que mais da metade dos meus posts são sobre esses pequenos momentos cotidianos que nos transporta para um lugar dentro de nós pouco que visitado, e talvez por isso a experiência seja tão intensa.
Lindo texto, querida!

Um beijo

Ric Dexter disse...

Conversar com a Lua...
um dias desses chamo ela pra tomas umas! hehe!

Beijos!

Bill Falcão disse...

Sim, Raul, Hendrix e toda essa turma citada neste post e nos demais abaixo sempre têm muito a nos dizer. Por isso, nos lembramos deles até numa simples ida à padaria.
Bjooooo!!

D. Pimentel disse...

Estou me pondo em dia com o seu blog. O ócio das férias me toma tanto tempo que me perco assistindo séries, filmes e lendo ... e esqueço de visitar os blogs que eu sempre gosto de ler (como o seu).
o Que eu posso dizer ?!
Estou sentindo falta da minha rotina, mesmo quando eu teimo em dizer que odeio rotina.
Verissimo é sempre genial... e sobre conversar com a lua... posso dizer que eu tbm sou bem lunático se me permite o trocadilho...
deixa eu ir que tenho o post mais recente pra ler ainda.
=)