sábado, 26 de dezembro de 2009

Sobre cachorros, amizade e natal...

Minha vizinha tinha um Pinscher alemão. Uma noite dessas estava terminando de ler o primeiro livro do Stieg Larsson na mesa da cozinha enquanto minha velha passava um café e, -não sei porque- ela começou com um papo estranho de tempos de hoje e crueldade humana. Minha mãe é daquele tipo nada objetivo, mas acabou o falatório com a notícia do falecimento do cachorro. -Acredita que mataram o pobrezinho atropelado só porque ele estava doente, -ela despejou sem medir. -Não respeitam mais nem o natal.-
Então é isso. O natal remete mesmo a uma atmosfera triste. Eu mesma sempre lembro do café onde sentava para ler e comer rabanadas. Tinha lá seus momentos agradáveis na infância. Hoje não mais. Eu ainda gosto de rabanadas, mas depois que as pessoas crescem passam a banalizar certas coisas. É tão babaca. Eu nunca coloquei o sapato na janela. Meu lado realista não deixava. Mas todos os anos eu esperava pelos flocos que nunca caiam no quintal do meu avô. Sinto falta da neve dos filmes do Peter Werner. Sinto falta do frio e sinto falta principalmente de sentir as coisas mais humanas. Eu sei que não é muito interessante terminar o ano com histórias tristes, afinal, ainda que de uma maneira torta o natal vai continuar a existir, eu vou continuar lendo Emili Bronte, apesar de esse ano ter trocado a Earnshaw pela Salander, e todos vão continuar trocando afetos, presentes e indo a missa, mas às 00:00 horas do dia 25 eu acabei pensando no que minha mãe quis dizer com "respeitar o natal" e achei de uma ótica bem estranha esse "fingir-que-ninguém-é-triste" enquanto animais são vistos numa perspectiva tão banal. Então de que adianta esses "balanços" de fim de ano e lembrar de Jesus Cristo quando só se encherga a si mesmo e se esquece que isso tudo tem um sentido...
Mesmo assim, ainda acredito no natal e na solidão que ele nos proporciona. Ainda acredito que as coisas vão mudar. No fundo vejo algo mais que compras, feriado e Perdigão. É tudo tão "estrombólico".
Vou finalizar com essa carta-ao-papai-noel do Jabour. Aos meus amigos, não vou desejar nada do que já não deseje o ano inteiro. Espero que consigamos mudar alguma coisa, pelo menos no cenário a nossa volta ou na nossa forma de ver as coisas... quem sabe a gente não esteja mesmo aqui para fazer a diferença. Go away...

14 comentários:

Andarilho disse...

Façamos sempre com que o espírito natalino seja mais que apenas o Natal. Que ele seja sincero e se espalhe por todos os dias do ano.

Não há nada que você possa fazer para mudar as pessoas. Mas voce pode sempre mudar a si mesma e, assim, atrair mais pessoas como você. Cedo ou tarde, as pessoas grandes que banalizam tudo serão a exceção. E vamos, devagar, fazendo a diferença.

Bom lê-la de novo, como sempre. E, apesar da melancolia e nostalgia, que esse período lhe seja feliz e cheio de amor. Que, nessa época de revisão de valores, saibamos eliminar aqueles que não nos levam adiante e valorizar aqueles que nos engrandecem. E que saibamos vivê-los na prática todos os dias de nossa vida.

Eduard disse...

Bells!

Já tava com saudade;
ultimamente tenho passado aqui e nadaa. Acabo lendo os antigos mesmo.
Bom, não sei o que dizer sobre o cachorro, o mundo anda tão ao contrário...

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Josy,

Voltei logo, ó...ahahaha.

Menina linda, que esse ano que se inicia seja realmente de muita saúde, paz e fé.

Beijo imenso e Feliz 2010!

Rebeca

-

Felipe Santos disse...

Eu concordo contigo... Sim estamos aqui para fazer a diferença. Ah, e o "espirito" do natal não devia ser tão banalizado, deviamos levá-lo em nossos corações todos os outros 364 dias do ano.

Você escreve incrivelmente BEM.

Kisses N' Hugs , Happy New Year!

Gutor disse...

É triste pensar em certas coisas e ver que realmente as pessoas veem essas coisas de uma forma que não deveria ser...

Eu nem sei o que estou falando!
Belíssimo texto, parabéns!!

P.L.E

Lily Quel disse...

Finalmente Josy!! Eu ansiava por um texto seu!
Leve como sempre, e ainda te sobra tempo para pensar nos outros...corações bons são assim!!!
Estamos aqui pra tentar mudar um pouco esse mundo frio não é mesmo!!?
"Peace, love and empathy"

Stive Ferreira disse...

Olá,
É bom ver coisas novas por aqui...

Gostei do link para o livro, com certeza será minha próxima aquisição para o ano próximo... Parece ser muito interessante.

Tenha um bom Ano Novo!

Abraço.

D. Pimentel disse...

Quando criança eu sempre adorei natal e ano novo. Era mais uma data que a família estava reunida e comíamos rabanada. Mas quando o tempo passa você enxerga a realidade a sua volta. Hj eu vejo muita hipocrisia nessas datas, não que eu ainda não goste da família reunida, mas as mascaras me incomodam bastante, as vezes me assustam tbm.
O que eu acho incrível sobre seu blog é que toda a vez que eu venho aqui eu vejo algo de mim dentro dos seus textos, pensamentos parecidos, idéias... as vezes até fatos que ocorreram comigo que são estranhamente semelhantes aos que você relata.
Tudo de bom pra você em 2010...
Cheers!

Lice disse...

Bom, é bom ver as coisas novas. É inspirador.

Abraço moça escritora.

Barbara disse...

Prá fazer a diferença é o que dá sentido a tudo.
1 abraço e gostei do estilo da sua mãe.

Madalena disse...

confesso que não tive coragem para ler até ao fim... fiquei-me pelo o
início da crueldade... é desumano, cruel!

beijinho , bom ano*

Sanzinha disse...

O mundo por seus olhos é sempre mais bonito.
Saudade de vc, Josy!

Muita mesmo.

Beijão bem grandão!

Sanzinha disse...

Meus melhores desejos de saúde ao Bolinha, querida.
De coração, quero que fique tudo bem.

Ótima semana pra vc.

E para de sumir assim! :(

Beijão!

Eduard disse...

Tô aqui para fazer a campanha posta logo Josy. hehe
Tá vendo Bells, até te chamei de Josy pra ver se você deixa de mole e escreve.
Enfim, passando pra relembrar, Beijão.