domingo, 8 de março de 2009

Sunrise

O amanhecer de uma cidade sempre tão chuvosa e úmida não era diferente ao longo dos dias, mas eu via sempre com deslumbre através da vidraça. A fria Forks era realmente - e incrivelmente- bela como nos livros da Mayer. Era tudo tão verde e gélido, motivo pelo qual sempre tinha de vestir meu grosso sobretudo marron. Engraçado, já havia pouco mais de dois meses que estava ali, mas não havia um dia sequer que que não parasse algum tempo contemplando através da janela. Como todos os outros dias, meu avô me esperava na mesa de pinho escuro ao lado de uma fumegante caneca e seu vicioso jornal.
- Bom dia flor - Ele sorria por trás de suas lentes, me analisando como um perito, com o olhar docil que eu sempre retribuia. As vezes eu tinha a impressão que não se conseguia esconder nada dele, que ele podia saber todos os meus pensamentos, mesmo aqueles que eu guardava só para mim. Era estranho porque ao invés de me intimidar isso me deixava segura, ao contrário dela, que parecia conhecer meus pontos fracos, e isso me deixava tão esposta e vulnerável.
-Olhando pela janela sinto que talvez ainda pudesse passar muito tempo aqui.- Eu gostava de dizer aquilo, ele também gostava quando eu começava a falar, tenho certeza que sabia tudo o que eu diria em seguida, mas escutava o meu silêncio, com aquele sorriso de covinhas que eu herdei, enquanto meu olhar perdido procurava as palavras.
-Quem sabe o resto da vida... - ele retribuia, sempre me testando... isso fazia meu sangue gelar. Não consigo imaginar a vida inteira em dimensões tão pequenas... pensar nisso me sufoca, porque não é certo se prender a meros lugares, ou pessoas, por melhores que eles sejam, mesmo a vida sendo um resto.
-Vô.., você já parou para pensar que esse "resto" pode simplesmente ser um intervalo entre um gole e outro do seu chá? E se for, até lá será que terei feito o suficiente?
Minhas respostas sempre pareciam agrada-lo, eu poderia esperar horas pelo que ele diria em seguida, no fundo eu me sentia imensamente honrada por sermos parecidos. Você herdou muito mais de mim do que eu imaginava - ele dizia, ao me dar um beijo na testa e um abraço com cheiro de perfume de limão- a diferença é que tem mais coragem. Espero que nunca perca esse seu faro jornalistico e essa vontade de controlar o tempo.
Na estrada senti a velha Silverado 95 alugada mais leve. Era diferente andar pelas ruas naquele dia. Coloquei meus poucos pertences em uma caixa e paguei o aluguel do pequeno escritório que foi pouco útil nas minhas pesquisas. Mais uma missão cumprida, pensei ao colocar a caixa no carro. Pensei em ligar para o Bill, ele ia gostar de saber, mas lembrei do fuso horário e percebi que ele devia estar dormindo aquela hora. Talvez a única pessoa dormindo em pleno feriado de carnaval. As vezez eu me pego tentando entender certas coisas, como o fato de um país inteiro parar uma semana inteira para pular nas avenidas enquanto o mundo continuava ávido e vivo. Peguei o vaso de violetas e ivys que ganhei logo que cheguei a Forks. Eram as preferidas da vovó e as mais abundantes por ali. Vôvo ainda hoje mantém a casa cheia, numa tentativa desesperada de cultivar as lembranças. Tinha comprado as passagens para o dia seguinte.
Naquele dia antes de dormir pensei na minha conversa com o vovô e me lembrei de um trecho que Eragon*. Pensei nela também, as vezes dizendo que eu devia arrumar um emprego de verdade e ler um pouco menos. Que devia deixar de pesquisar a cura da estupidez humana e viver um pouco. Eu que nem consigo encontrar cura para as minhas. Era estúpido e irônico eu que não dava importancia ao que as pessoas achavam me sentir incomodada, mas afinal, ela era minha mãe. -Porque você não é normal como as outras moças, nem pelo mesmo se veste como elas, dizia na tentativa frustada de que uma vida fútil e sem graça fizesse parte das minhas escolhas..." As pessoas vêem as coisas de forma tão míopes. Mas decidi esquecer aquilo tudo, já que ninguém reponderia ás minhas dúvidas nem aquilo me deixaria mais feliz. Wiol pomnuria ilian. Para minha felicidade. O dia já devia estar reaindo quando finalmente consegui pegar no sono.

9 comentários:

Márcio disse...

Uia;

De volta hein?
Quanto tempo sem post.
Muito legal forks, mas sobre a cura lá... encontrou?
kkkkk
Bjus.

Andarilho disse...

Lindo texto. Queria comentar algo mais original, mas me faltaram as palavras para isso.

Parabéns.

ana de toledo disse...

Olá! Muito obrigada pela visita ao Copablog!
Um abraço

Bernard disse...

Inquietações, o fato de seguir é sempre difícil, e se pegar pensado em coisas é surpreendente, os outros veêm o mundo conforme sua realidade.

Karla disse...

Olá, obrigada pela visita ao meu blog, e parabéns. Muito legal seu blog.
Beijinhos

anderson disse...

josinha de blog!eita q massa!
mas eu tbm tenho!hehehhehhehehehehe4
entre e blogdoandersonmacedo.blogspot.com

Eduardo disse...

Não consegui indentificar a critica ai...

Germano Xavier disse...

Josy,

que surpresa boa você em meu blog. Espero que possamos continuar construindo uma amizade feita em versos e palavras.

Deixo um carinho sincero.
Continuemos...

Germano Xavier disse...

Não conhecia este livro, Josy.
Você me fez pesquisar sobre ele.

Um carinho e um bom fim de sábado.
Continuemos...