terça-feira, 7 de abril de 2009

Jude


A motocicleta amarela faz um 'barulhão' ao adentrar a rua estreita de paralelepípedo. Joga esse treco velho fora diz o Marvin sempre que chego fazendo-me ruborizar de raiva. Algumas pessoas têm aimais de estimação. Outras colecionam objetos de arte. Eu adotei a Kasinski Cruise 125 que ganhei do meu pai quando fiz quinze anos, numa tentativa frustrada de substituir o cachorro que nuca pude ter devido a alergia da minha irmã. Dentre todas as coisas das quais ele tira 'sarro' a motocicleta e os vinis anos 70 são os que mais me enfurecem, afinal eles não são meros objetos como todo mundo pensa, mas parte da minha história - não que isso seja grande coisa- mas sempre fico muito 'puta' quando isso acontece. E o Marvin adora me ver assim.
Marvin é meu 'primo-irmão'. Daqueles que ora você tem vontade de matar, ora acha que pode ainda vir a precisar dele. É uma quase cópia do 'Ed Kenedy de Marcus Suzak', com muitas diferenças claro! Quando ele tinha nove anos seus pais - consequentemente meus tios - morreram em um acidente de carro. Desde então ele mora conosco aqui no prédio azul de janelas desbotadas, mais precisamente em um quarto excessivamente iluminado bem mais organizado que o meu. Com 19 anos ele estuda publicidade e é fotografo nas horas vagas. Odeio as centenas de fotos que ele costuma tirar escondido. São coisas um tanto perigosas se tratando dele. Mas um primo 'desses' é bem util para fazer 'sandwich', ir ao cinema quando não se tem outras opções e cuidar do jardim - até temos uma sociedade secreta de plantadores de árvores, todos os sábados as nove da manhã.
Bem... voltando ao assunto da moto, a florisbela é tudo o que há. Além de me ouvir quando o Marvin está ocupado ainda me livra de pagar a 'absurdez' de preço do transporte coletivo que essa semana aumentou novamente. Marvin é metido com movimento estudantil, eu até que entrei nessa logo que começei o curso de letras english, mas não é para mim não. Se tem uma coisa que eu sou contra é essa coisa de fica falando falando e parar nisso. Palavras sem ação são tão inúteis.
Não que eu esteja criticando ninguém. Como diz pink floyd 'no sarcasm' e cada um faz o que pode, mas eu tenho outras prioridades agora. Prioridades essas que eu talvez nem entenda direito. Marvin vive criticando isso, isso e várias outras coisas, como por exemplo o meu fanatismo retrocesso pelo Eduard Cullen. Ele diz que quero abraçar o mundo com as pernas. E acha que eu deveria ter nascido britânica. Mas e daí se eu amo inglês e uso all star? Isso não me faz inconsciente do meu papel aqui. Porque será que as pessoas vivem querendo enquadrar todo mundo em um modelo pré-fabricado que não me atrai nem um pouco.
Sou apaixonada por inglês e literatura. Dou aulas para turmas de pre-adolescentes em uma escola de linguas do outro lado da cidade. Eu e a florisbela. Bem mais gratificante que traduzir aquelas longas reuniões de 'caras-amarradas-de-colarinho-branco', isso me dá mais liberdade de ser quem eu sou. A garotada adora as músicas e eu posso usar meus jeans e tênis - detesto ser obrigada a trabalhar de 'farda de dondoca'. Tudo o que eu menos preciso agora é ser alguém com complexo.
Na janela do meu quarto tem uma 'varandinha' com vista para a rua. De lá no final da tarde eu aspiro o calor escaldante antes de ir para a faculdade. Enquanto o 'Jimi' canta (grita?) 'if 6 was 9' as pessoas voltam de seus trabalhos, colarinhos e saltos se misturando, falando de orkut, big brother, reuniões do g20, novela das oito, cigarros... Interessante essa nossa miopia particular e essa capacidade de ignorar as coisas. Quem sabe essa 'parada' de verdade de cada um não seja mais uma mentira que eles enventaram para nos contar? Pobres 'palhaços' enganados.
Minha cabeça as vezes 'gira'. E eu só sei de uma coisa. Essa normalidade toda é muito entediante...

"Conservadores de colarinho branco passam rapidamente pela rua,
Apontando seu dedo de plástico para mim.
Eles esperam que gente como eu caia e morra logo,
Mas eu vou balançar minha bandeira monstruosa, alto, alto.
Balançar, balançar...
Caiam, montanhas, apenas não caiam em mim
Vá em frente, Senhor Homem de Negócios, você não pode se vestir como eu.
Tudo bem, porque eu tenho o meu próprio mundo para observar,
E eu não vou copiar você..."
(If 6 was 9 - Jimi Hendrix)

9 comentários:

Germano Xavier disse...

Fiquei intrigado, Josy.
Até quando o que está no texto é realidade ou ficção?

Sou apaixonado por motos.
Um carinho.
Continuemos...

Sandra disse...

Voltei ao mundo dos blogs e encontrei o seu. Uau! Muitas coisas em comum: Tbm fiz Letras Inglês, adoooro a língua. E all star. E Crepúsculo. E Edward Cullen - o do livro, não o do filme. E por aí vai... rs.
Se me permitir, coloco um link pra vc no meu recém-criado outro blog.
Fiquei fã. Voltarei.
Beijos!

Judith disse...

Já ganhou o link! E é claro que pode por o meu aqui. Na verdade, me chamo Sandra. Judite é nome da outra eu...rsrs.
De verdade, gostei muito do seu blog. É bom achar gente que pensa que nem a gente... rsrsrs.
Beijos!

Germano Xavier disse...

Bom saber do contexto do seu texto, Josy. E também por saber que gosta de cavalos de aço.

Um carinho.
Continuemos...

Germano Xavier disse...

Passando e relembrando, Josy.

Feliz Páscoa para você.
Um carinho.
Continuemos...

Germano Xavier disse...

Passando e relembrando, Josy.

Feliz Páscoa para você.
Um carinho.
Continuemos...

San disse...

Vim desejar Feliz Páscoa! :)
E que vc ganhe bastante chocolate! rsrsrs
Beijo!

Germano Xavier disse...

Feliz Páscoa, Josy.
Manda um pedacinho de chocolate para mim!

Um carinho.
Continuemos...

Eduardo disse...

Kasisnk 125??? Que mamão heim vida aeuheuheuheaueahueahaeuaeu

te amo!