sexta-feira, 4 de abril de 2008


Quando as chuvas de outono começaram as ruas não eram mais as mesmas. Todos assistiam TV e liam em suas lareiras, ao invés de passear com seus cachorrinhos. Os carros faziam filas na porta dos colégios para buscar as crianças e pessoas só eram vistas indo e voltando do trabalho, com seus guarda-chuvas enormes. As senhoras não fofocavam na calçada á noite, os casais não comiam pipoca, sentados no banco das praças, e até os pontos de ônibus eram mais vazios.
A menina achava que a chuva trazia muita solidão. Nas aulas, cafés e lanchonetes, ela estava presente em tudo, trazendo lembranças do tempo em que tomar banho de chuva era saudável, e sorvete no frio, e dormir sem esse despertador mental que impões seus limites a tudo. Nessa altura de sua vida, não acordava mais com o cheiro maravilhoso do chá de hortelã. Tinha uma lista de tarefas para cumprir, e uma imensidão de coisas a se preocupar. O mundo tava estranho. Talvez fosse por isso que as pessoas criassem os seus próprios e se trancassem dentro deles.
Ela não. Frequentemente era vista embaixo de arvores já quase sem folhas, nos bancos da orla, assistindo a um pôr do sol muitas vezes invisível por trás do temporal. Olhando as gotas de chuva que caíam no rio, imaginando que histórias carregavam. Ela e seu guarda chuva vermelho, sabiam que mesmo com toda tempestade o sol não deixaria de existir. E ela tampouco poderia deixar de viver.

“E se, de repente sentirmos que vamos morrer e nos perguntarmos: Que rastro deixaremos da nossa passagem por este canil? A resposta honesta seria: Nenhum. Não fizemos nada, além de falar pelos outros. O que significa, então, ter traduzido milhões de palavras se não nos lembramos de nenhuma, porque nenhuma merecia ser lembrada?”
As travessuras da menina má)

5 comentários:

Mensageiro disse...

Uma pergunta que, talvez quebre o encanto de todos os seus próximos textos: "A menina, é você?"


Já que você falou em lista: Conhece o projeto 101 metas 1001 dias

P8 disse...

Muito legal seu texto. Acho que a menina pode ser qualquer pessoa que reflita sobre as tarefas cotidianas terem mais importância que a essência das pessoas.

Mensageiro disse...

É um projeto em que você traça 101 metas que sejam passíveis de você cumprir em 1001 dias.

Dá uma visita nesse outro Blog meu que você entende ó:
http://deunatelhadothi.blogspot.com

Bernard Freire disse...

Demorei!
tou de volta, tava sem vontade de posta!!
Até vim alguma ideia na minha imaginação!!

Bobby disse...

Tudo merece ser lembrado. Somos a transfomação contínua do que fomos no passado. A direção e velucidade dessa constante mutação é que dará o sentido de nosso futuro. Tudo depende apenas da nossa vontade. www.h18.blogger.com.br